Carreira docente federal e Reforma da Previdência

cartaz2-01

Anúncios

NÃO À REFORMA DA PREVIDÊNCIA

charge-latuff-temer_28-06-16

Caros/as colegas,

Enviamos, abaixo, alguns documentos sobre a reforma da previdência do governo Temer, uns mais detalhados, outros mais sucintos, todos muito esclarecedores, que nos alertam sobre o verdadeiro descalabro social que representa essa proposta. Quanto mais a conhecemos, maior nossa disposição de luta, mais urgente nosso protesto!

Reformar para excluir?” – Documento-síntese sobre a reforma da previdência (PEC 287/16), elaborado por diversos especialistas em economia, direito, proteção social e mercado de trabalho. Iniciativa da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (ANFIP), do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) e da Plataforma Política Social, o documento denuncia o caráter excludente da reforma da previdência proposta pelo governo, rebate as justificativas dadas para a proposta e apresenta alternativas para o equilíbrio financeiro das contas públicas. (Documento em pdf)

https://oppceufc.files.wordpress.com/2017/02/previdencia_doc_sintese.pdf

Trecho de documento sobre a reforma da previdência, no formato de perguntas e respostas, divulgado pelo próprio governo Temer. De fato, bastante elucidativo. Nele, vemos que não se trata de uma reforma, mas do fim da previdência social no Brasil. Há uma parte específica sobre o Regime Próprio de Previdência dos Servidores Públicos (RPPS).

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/politica/noticia/2016/12/tire-suas-duvidas-sobre-a-reforma-da-previdencia-8638394.html

A professora Sara Granemann, da UFRJ, discute as estratégias do governo para convencer a sociedade sobre a necessidade de uma reforma que nega os direitos previdenciários dos mais jovens e das futuras gerações. Ela esclarece a lógica internacional da medida, que visa liberar fundo público para o capital, convertendo recursos garantidores de direitos sociais em aporte financeiro para os mercados. Também chama a atenção para aqueles países em que os trabalhadores defenderam de maneira aguerrida seus direitos, inclusive com revoluções, e têm conseguido manter melhores condições de previdência social.
http://portal.andes.org.br/andes/print-ultimas-noticias.andes?id=8648

Déficit da previdência é mito a ser derrubado, segundo economistas. O argumento falacioso do “rombo da previdência” é a principal estratégia do governo para convencer a sociedade a aceitar uma retirada de direitos sem precedentes na história brasileira.

http://www.redebrasilatual.com.br/economia/2016/07/para-economistas–previdencia-social-deficitaria-e-mito-a-ser-derrubado-6879.html

Nesta matéria, jornalistas do The Intercept apontam os interesses da previdência privada na PEC 287. Por Helena Borges e Vinícius Pereira.

https://www.brasildefato.com.br/2016/12/19/os-dois-lados-da-proposta-de-reforma-da-previdencia/

O artigo da professora Esther Dweck, do Instituto de Economia da UFRJ, mostra o projeto de país desigual por trás da reforma da previdência.

http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/blog-na-rede/2017/01/reforma-da-previdencia-aponta-novo-projeto-de-pais-sociedade-nao-solidaria

Como resposta à destruição da previdência social sob Temer, as centrais sindicais marcaram grande protesto para dia 15 de março. Os professores das instituições federais de ensino também participam do protesto e já se movimentam para a construção de um dia nacional de lutas.

http://www.redebrasilatual.com.br/trabalho/2017/02/centrais-confirmam-dia-de-protestos-contra-pec-287-em-15-de-marco

http://www.andes.org.br/andes/print-ultimas-noticias.andes?id=8661

FORA TEMER!

NÃO À REFORMA DA PREVIDÊNCIA – PEC 287/16!

GRANDE PROTESTO 15 DE MARÇO!

 Coletivo Graúna – Professores por uma educação democrática!

Nota de repúdio ao machismo na UFC

algaravia-2
Aquarela de autoria do Prof. Cláudio Rodrigues (UFC)

Por duas ocasiões em assembleias gerais da ADUFC, só neste mês de novembro, duas professoras sofreram assédios machistas de colegas da UFC. Na primeira ocasião, um professor tentou várias vezes agredir fisicamente uma colega e teve de ser impedido pelas pessoas próximas. Na segunda, outro professor assediou ostensivamente uma colega, acusando-a de esconder cartões de votação na roupa, sem qualquer evidência razoável. Foram duas situações absolutamente lamentáveis, regressivas e claramente misóginas. Com esta nota, gostaríamos de nos solidarizar com as colegas, reconhecer que ainda há um longo caminho a percorrer para vencer o machismo na universidade e na sociedade e repudiar o comportamento regressivo dos colegas. A universidade precisa promover espaços de esclarecimento e conscientização entre a comunidade universitária, em todos os campi, para evitar que situações lamentáveis como essas se repitam. O avanço no conhecimento científico deve se fazer acompanhar dos avanços contemporâneos em consciência e convivência social.

 

Fortaleza, 21 de novembro de 2016

 

Coletivo Graúna – Professores por uma educação democrática

“Construindo resistência e esperança” – Nota sobre a greve dos professores das Universidades Federais do Ceará

ato10
Aquarela de autoria do Prof. Cláudio Rodrigues (UFC)

A Assembleia Geral dos Docentes das Universidades Federais do Ceará, realizada no dia 18 de novembro, decidiu pela deflagração de greve por tempo determinado, até dia 13/12, data em que está prevista no Senado Federal a votação final da PEC 55.

A assembleia anterior já havia aprovado o apoio à greve dos estudantes, deflagrada em 03/11, e às ocupações. Com os dois outros segmentos universitários em greve, estudantes e servidores técnico-administrativos, os professores agora reforçam o movimento contra as medidas antissociais do governo ilegítimo de Michel Temer.

Nacionalmente, vinte e sete universidades federais entram em greve esta semana. Mais de setenta estão ocupadas. O movimento de rejeição à PEC 55 e o sentimento de urgência crescem a cada dia nas universidades e na sociedade em geral. Continuar lendo

Nota de apoio à greve estudantil e às ocupações

img-20161117-wa0000

“Quando a tirania é lei, ocupação é ordem”

No dia 03 de novembro de 2016, mais de mil e quinhentos estudantes da Universidade Federal do Ceará lotaram a Concha Acústica numa demonstração de força e coragem para enfrentar o desmonte da educação pública, proposto pelo governo ilegítimo de Michel Temer através da PEC 241 (agora PEC 55 no Senado), da Reforma do Ensino Médio e da Lei da Mordaça. Naquele dia, estávamos, alguns professores, como espectadores e nos aglomeramos nas arquibancadas, animados com a diversidade de perspectivas apresentadas pelos jovens que discursavam. Aplaudimos e admiramos as convicções ali demonstradas. Continuar lendo

ASSEMBLEIA DOS DOCENTES DA UFC NO DIA DE PARALISAÇÃO NACIONAL

fb_img_1474645763007

Na manhã de ontem (22 de setembro), dia de Paralisação Nacional, os jardins e o auditório da reitoria da UFC receberam, respectivamente, servidores técnico-administrativos e professores.

Num auditório completamente lotado de professores e alunos, vários colegas se pronunciaram a respeito da necessidade de permanente mobilização frente aos retrocessos impostos pelo governo ilegítimo porque golpista. Algumas falas apontaram isso com mais ênfase. Continue lendo

NOTA EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA E CONTRA OS RETROCESSOS

O objetivo desta nota é denunciar os graves ataques à educação pública, orquestrados por um governo ilegítimo e sem compromisso com o programa de governo escolhido em 2014, e convidar os/as colegas da UFC a participarem do Ato em Defesa da Educação Pública e Gratuita, no dia 11 de agosto, Centro de Humanidades da UECE, a partir das 15h.
Vivemos um tempo atravessado por retrocessos políticos, econômicos e sociais, que ameaçam até a conquista de um patamar civilizatório mínimo em nosso país. Todas as políticas públicas e instituições que promovem a distribuição de renda no Brasil estão sendo atacadas. Cortes de investimentos sociais, projetos de lei e emendas em tramitação no Congresso Nacional atacam os direitos dos trabalhadores, a previdência social, os serviços públicos e políticas afirmativas. Continue lendo