DESTRUIÇÃO DO MUSEU NACIONAL: uma tragédia anunciada

bg-2

Nosso pesar diante do incêndio que destruiu o Museu Nacional no Rio de Janeiro – tragédia que abalou profunda e irreparavelmente a memória da Ciência e da Cultura no Brasil – nos move no esforço de fazer do luto a luta.

Há décadas, gestores, pesquisadores e professores que trabalham na UFRJ e no Museu têm denunciado as precárias condições de conservação e manutenção dessa instituição que acabou de completar 200 anos de existência. A falta de um sistema de prevenção de incêndio era tomada como anúncio de uma tragédia iminente. O descaso dos sistemas de governança diante do nosso patrimônio histórico, artístico e cultural, agravou-se mais recentemente na cena do golpe que segue em curso, desde o qual as verbas destinadas ao Museu passaram a declinar perigosamente. A tragédia de hoje não pode ser tomada como acidente, mas como resultado criminoso do descaso de um Estado omisso e desinteressado, configurando-se uma violação do direito de uma Nação ao resguardo de sua memória.

Agora em 2018, o Museu estava sem receber o repasse de verbas necessário e suficiente para uma manutenção segura. Isso já reflete o quadro do abismo para o qual o governo golpista nos empurra, com perdas intensificadas e insustentáveis nos campos da Saúde, Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Serviços Públicos, como efeito da Emenda Constitucional do Teto dos Gastos Públicos, que autoriza o Governo a congelar por 20 anos os investimentos nesses setores.

Em tal contexto, o que mais do nosso patrimônio tombará entre chamas? Nosso grito de dor e indignação neste momento não traz de volta 200 anos de história e um patrimônio perdido, onde se abrigavam peças museológicas e conhecimentos distribuídos em diferentes áreas das ciências: história, geografia, arqueologia, paleontologia, botânica, antropologia biológica e social, política, artes, dentre outras. Todavia, esse grito alerta para o fato da fragilidade em que se encontram nossas instituições de saber, cultura e memória. Em diferentes regiões do país, temos prédios tombados que por si representam uma memória a ser resguardada e são espaços de preservação e exposição de acervos importantíssimos da Cultura em nosso país, com exemplares de diversas regiões do mundo.

Não podemos nos calar engasgados em nossas lágrimas. Que essa trágica lição nos mova a recusar o jogo político que, na chamada “ponte para o futuro”, inverte as prioridades sociais da Nação, servindo à acumulação privada e rentista, ao passo em que torna célere o desmonte de nossas conquistas históricas, culturais e sociais, aprofundando desigualdades e injustiças. Que sirva de lição também no sentido de nos ensinar e sensibilizar para valorizarmos mais nossos espaços de memória, nossa ancestralidade. Visitemos mais nossos museus e nossos acervos! Exerçamos também nossa responsabilidade educativa como cidadãos e cidadãs!

Coletivo Graúna

Fortaleza, 04/09/2018

cropped-fp-perfil.png

Anúncios

[NOTA PÚBLICA] O avanço da criminalização não vai parar nossa missão! 

Dorothy vive e queremos Padre Amaro livre!

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) foi surpreendida ontem (27) com a notícia da prisão do Padre José Amaro Lopes de Sousa, em Anapu, Pará.

Padre Amaro faz parte da equipe pastoral da Prelazia do Xingu, e da equipe da CPT, à qual pertencia a Irmã Dorothy Stang, assassinada em 2005, em Anapu, na luta pelo direito à terra para os que dela precisavam e na defesa de uma convivência harmoniosa com a natureza. Por isso, ela foi incansável e obstinada na concretização dos chamados PDS, Projetos de Desenvolvimento Sustentável. Continuar lendo

NOTA DE REPÚDIO AO MACHISMO NA UFC II

O Coletivo Graúna, formado por professoras e professores que lutam por uma educação democrática, vem a público reafirmar que a Universidade Federal do Ceará como instituição de formação e de grande relevância social deve se constituir em uma referência de práticas e de construção de conhecimentos em torno da garantia de Direitos Humanos para Mulheres e Homens em nossa sociedade. Nesse sentido, professoras e professores do Coletivo Graúna solidarizam-se profundamente com a estudante de 16 anos recém-ingressa no Curso de Agronomia, que foi vítima de comportamento abusivo por parte de um professor, em aula no dia 12 de março de 2018, no campus do Pici/UFC.

As mulheres ainda realizam ações públicas e políticas no mês de março, mês dedicado à luta por seus direitos ao trabalho digno e justo e a uma vida sem violência, dentre outras pautas necessárias ao pleno reconhecimento das mulheres como sujeitos de direitos, quando são surpreendidas por fatos como esse que violentam jovens e sustam seus melhores sonhos. Continuar lendo

[COMUNICADO] Documento entregue na Assembleia Geral de 07 de dezembro

Leia o ofício entregue à diretoria da ADUFC na Assembleia Geral de 07 de dezembro de 2017, assinado por diversos filiados:

Fortaleza, 07 de dezembro de 2017

 

À Diretoria do Sindicato dos Docentes das Universidades Federais no Ceará – ADUFC

Av. da Universidade, 2346 – Benfica, Fortaleza – CE, 60020-180

Att. Sr. Presidente Ênio Pontes

 

Prezado(s) Diretores(as) da ADUFC,

Vimos, pela presente, na condição de filiados desse Sindicato, manifestar nossas preocupações com a atuação dessa atual diretoria da ADUFC, as quais podem ser resumidas em 03 (três) questões centrais: 1) ausência de prestação de contas há dois anos e seis meses; 2) não-convocação de assembleias e não-cumprimento das decisões tomadas nas instâncias colegiadas deliberativas do sindicato; 3) desenvolvimento de atividades estranhas aos objetivos da entidade e aos interesses da categoria, inclusive destinando vultosos recursos a finalidades incompatíveis e inadequadas a uma entidade sindical.

Continuar lendo

E logo vocês ficam calados!

Artigo do jornal DIE ZEIT ONLINE, publicado em 13/09/2017

De Caspar Shaller

Tradução: Irenísia Oliveira

 

Dentro de dez dias, os alemães irão às urnas, eu já fui. Sou americano e nós tivemos eleições no ano passado. Caso alguém queira saber em quem eu votei, eu respondo não com um nome mas com um número: 28. Essa é minha idade.

De fato, a grande maioria das pessoas abaixo de 30 anos nos EUA não apoiaram nem Hillary Clinton nem Donald Trump, mas o candidato de esquerda Bernie Sanders. Ele recebeu mais votos dos jovens nas prévias eleitorais que Trump e Clinton juntos.

Nisso parecemos com os britânicos.

Continuar lendo

Abaixo-assinado exige que ADUFC cumpra decisão do Conselho de Representantes

Professores da UFC e UFCA entregaram na manhã de segunda-feira, 4, à ADUFC-Sindicato um abaixo-assinado com 270 assinaturas. O documento – iniciativa de membros do Conselho de Representantes do sindicato – requer que a ADUFC cumpra uma decisão do Conselho, tomada em reunião no dia 14 de novembro, de acordo com a qual uma assembleia geral da categoria deveria ser marcada entre os dias 4 e 8 de dezembro. Continuar lendo

Juntos, pelo presente, pelo futuro, contra a reforma da previdência!

05/12 A partir das 8h
Manifestação na Av. da Universidade
com 13 de Maio

 

Neste dia 05 de dezembro, estamos em luta para barrar a contrarreforma da previdência do governo golpista de Michel Temer. Frentes populares, centrais sindicais, sindicatos, movimentos sociais, coletivos, no país inteiro, estamos na rua em atos e manifestações para mostrar que a sociedade brasileira é contra esta reforma e contra o projeto maior que ela compõe.

Esse projeto, forjado dentro dos grandes bancos e corporações, impõe a contrarreforma trabalhista, a precarização do trabalho, a redução drástica do orçamento dos serviços públicos, além de outras medidas que desconsideram inteiramente as necessidades dos seres humanos, das sociedades e do meio ambiente. O mundo neoliberal promete ser mais eficiente financeiramente e mais inovador tecnologicamente, mas nele as pessoas serão mais pobres, trabalharão mais e em piores condições, estarão cercadas de violência e viverão menos tempo. Um exemplo concreto disso é que o aconteceu na Inglaterra neoliberal, em que os nascidos na era Thatcher (1979-1990) foram reduzidos à metade da riqueza da geração de seus pais. Continuar lendo

Diretoria da ADUFC descumpre decisão do Conselho e boicota participação de professores das Universidades e dos campi do interior do estado

Em reunião do Conselho de Representantes da ADUFC, realizada no dia 05 de outubro de 2017, ficou decidido que uma nova reunião, a ser realizada no dia 25 do mesmo mês, deveria contar com a participação dos Conselheiros da UFCA e dos campi do interior por videoconferência. Nas vésperas da data, a diretoria adiou a reunião argumentando, entre outras motivos, que estava providenciando os meios para cumprir o encaminhamento.

Na nova data, 14 de novembro de 2017, a diretoria descumpriu a decisão do Conselho e não garantiu a possibilidade de participação dos conselheiros. As alegações variaram de suposta proibição no Estatuto ao custo de instalação de uma transmissão de vídeo via internet. A diretoria não foi capaz de apresentar o artigo do estatuto que proibia a participação dos conselheiros por videoconferência e, quando contestada sobre o custo de sua realização, não apresentou orçamento. Continuar lendo

[Notícia] Reunião do Conselho de Representantes da ADUFC

No dia 14 de novembro ocorreu a segunda reunião do Conselho de Representantes da ADUFC, convocada para deliberar sobre os seguintes pontos de pauta: 1. Avaliação de conjuntura nacional; 2. Eleição do conselho fiscal; 3. Discussão acerca das vagas remanescentes do conselho de representantes.

No início da reunião, a diretoria foi questionada sobre a participação dos representantes dos campi do interior por videoconferência, em acordo com encaminhamento aprovado na reunião anterior do Conselho. As justificativas apresentadas não elucidaram o descumprimento e o Prof. Ênio Pontes, presidente do sindicato, enfatizou a responsabilidade dos representantes de se fazerem presentes na reunião. Continuar lendo

[NOTÍCIA] Diretoria da ADUFC descumpre encaminhamento aprovado pelo Conselho de Representantes

Na reunião do Conselho de Representantes ocorrida em 05 de outubro, foi aprovada por unanimidade nova convocação com data para o dia 25/10. No entanto, a diretoria — desrespeitando deliberação da instância superior — alterou a data da reunião para 14/11 alegando “necessidade de infraestrutura para a realização da reunião do Conselho de Representante (sic) com participação de professores dos Campi do Estado do Ceará; a mobilização Nacional, que ocorrerá dia 25 de outubro, contra a perda de direitos na atual conjuntura e o Calendário Universitário”. Continuar lendo